Bruno Sanctus : O Sol Era Uma Hemorragia Ruivo-Oxigenada

Review

Reviewed by Andre Diaz

A literatura de Bruno Sanctus atrai nosso olhar para dentro de nossas próprias vísceras. Nos faz encarar nosso próprio ódio. Nosso próprio niilismo, que disfarçamos com hipócritas “Bom dia”! e “Tudo bem”? todos os dias, pois somos peças bem encaixadas e a vida é assim mesmo. Não. Não é assim mesmo. E este jovem escritor já sabe disso. Desde o empedernido pessimismo que impregna estas páginas, até a aversão aos populares saraus de poesia, onde quem escreve procura externar seus anseios por aprovação, na procura de palmas, tão sinceras como o “Bom dia”! que oculta desejos homicidas, os quais Bruno Sanctus joga a luz, como um vigia num banheiro publico, revelando atos vergonhosos que nós todos cometemos ou sonhamos cometer. Sua escrita é sincera como os recados pervertidos rabiscados nas portas deste banheiro. Um convite para que joguemos a máscara dissimulada no cesto de lixo, enfiemos a mão no vaso e nos alimentemos do que é realmente a Verdade, e esta nos libertará, pois “somos nós mesmos, quando defecamos".

Autor

Bruno Sanctus

Views 511
Gênero Poesia
Since 2018